} Galeriacores Cartoon Notícias: Olhar o mundo como dom de Deus

Home

 

Galeriacores Cartoon Notícias

Um blog de cartoons sobre as notícias da actualidade. Um sector informativo do Grupo Galeriacores.

domingo, 31 de agosto de 2008

Fazer dinheiro, trabalhar em casa, ganhar muito dinheiro, emprego, ser rico, criar empresa, fazer dinheiro, computador


Olhar o mundo como dom de Deus


Para ver a animação clique nesta imagem e aguarde uns segundos. To view the animation click on this image and wait a few seconds.

Que a família humana saiba respeitar o plano do Criador sobre o mundo e seja cada vez mais consciente do grande dom de Deus que é a criação

1. Criação, dom de Deus

O modo cristão de olhar o mundo, partilhado com outras religiões, não dispensa este princípio: tudo é, em última instância, dom gratuito de Deus. Há outros modos de olhar o universo, modos materialistas, nos quais o conceito de criação não tem lugar – o universo é olhado como fruto de forças e acasos sem nenhum princípio explicativo. Mesmo assim, é possível encontrar preocupações comuns a crentes e ateus relativamente ao cuidado a ter com a natureza. Tais preocupações comuns dizem respeito, sobretudo, ao esforço por encontrar formas cada vez mais humanas de viver e ter acesso aos bens da terra sem destruir irremediavelmente a criação.

2. Sacralização da natureza

As preocupações ecológicas fazem cada vez mais parte do nosso quotidiano – seja-se crente ou não. Há uma consciência cada vez mais clara de que a acção humana transforma a natureza, e nem sempre para melhor. Os «movimentos ecológicos» – e até os partidos políticos ecologistas – têm na sua origem, quase sempre, esta consciência da fragilidade da natureza e da necessidade de adoptar modelos de desenvolvimento mais respeitadores dos equilíbrios naturais. Há, porém, ideologias radicais que, em nome da natureza e sua defesa, se vêm revelando cada vez mais inimigas do homem. Tais ideologias, muito devedoras do materialismo actual, pseudo-científico, acabam deificando a natureza, considerando-a «sagrada», «intocável»... e, no mesmo passo, demonizam o homem e a sua acção sobre o mundo, vista sempre como má e prejudicial. Perde-se, deste modo, aquela concepção mais equilibrada segundo a qual o resultado da acção sensata do homem sobre a natureza é um gradual processo de humanização do mundo, que vai sendo transformado e tornado cada vez mais habitável.

3. Questões em aberto

O ecologismo ideológico encontrou no «aquecimento global» e na utilização dos combustíveis fósseis o seu mais significativo campo de batalha. Aquele, atribuído exclusivamente à acção humana, passou de fenómeno climático a estudar e enfrentar, se possível e necessário, a ideologia de tipo totalitário, sem possibilidade de contradição – a desqualificação de quantos, no mundo científico, procuram explicar de modo diferente as complexidades climáticas actuais é o exemplo acabado deste totalitarismo. Mas não se fica por aqui. A subida global dos preços dos cereais, serve-lhe também para avançar noutros caminhos. Um dos mais promissores parece ser a tentativa de impor, de novo, o medo da sobrepopulação humana do planeta, que levaria a escassez crónica de alimentos e a fomes generalizadas. Daí até à promoção de políticas estatais de controlo demográfico com penalizações para as famílias numerosas... vai um passo pequeno que alguns começam a exigir. A carestia dos alimentos tem, evidentemente, muitas causas – entre elas, a promoção «ecológica» dos chamados biocombustíveis, feitos a partir de cereais. Não há, porém, argumentos sérios mostrando a impossibilidade de alimentar a população mundial com os recursos actuais. Infelizmente, isso não detém a lógica de quem olha os seres humanos como os maiores inimigos de uma natureza sacralizada, à qual muitos não se importariam de sacrificar o desenvolvimento dos povos.

4. Respeitar o plano do Criador

Desde as origens, o homem está chamado a «dominar a terra» (cf. Génesis 1, 28). Este domínio significa a libertação do homem face a todos os «poderes» da natureza, pois esta não é uma divindade superior ao homem – logo, é princípio de liberdade do homem face a todas as outras coisas criadas e instaura a possibilidade de agir sobre a natureza, conhecendo-a e transformando-a. Não é, porém, um domínio isento de «cuidado», ou seja, como de senhor sem deveres nem contas a prestar. Mais do que senhorio sobre a criação, o domínio do homem é colaboração na obra de Deus criador – e a sua acção deve orientar-se no sentido de aprofundar a bondade da criação, proclamada também nas origens (cf. Génesis 1, 31). Eis, pois, como o cristão deve entender o plano de Deus sobre a criação: um projecto de aperfeiçoamento e humanização continuada, conduzindo a um mundo cada vez mais habitável e acolhedor para todos os filhos de Deus e todas as suas criaturas. Tal não se fará sem cansaço e sofrimento e apenas se realizará plenamente nos tempos escatológicos. Pode, no entanto, ser já antecipado, sempre que o homem cuida, agradecido, dos bens que lhe foram concedidos.

Palavras de Bento XVI
Agência Ecclesia

Etiquetas: , , , , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial


Jorge Goncalves

web site hit counter

Add to Technorati Favorites
Estou no Blog.com.pt

Galeriacores / Home I ForumsIGrupo/Groups I Cartoons I Publicações I Culinária/Recipes

Altar virtual /Chapel I Notícias dos Açores I Notícias da Graciosa I Links I Fotos-Photos


Pesquisa personalizada

Outros blogs de interesse:

Notícias da Ilha Graciosa
Notícias dos Açores
Curiosidades
TV grátis via Satélite
Satellite free TV
Desgarradas pela Internet
O mundo da música grátis
Plantas Milagrosas
Saúde e dietas
Galeriacores cartoon humor


Photography Newsfeed:




Galeriacores © Some rights reserved

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Contacte o dono deste blog:

Galeriacores@gmail.com




Melhor visualização com a Internet Explorer / Best viewd with the Internet Explorer