} Galeriacores Cartoon Notícias: O cigarro electrónico: também faz mal à saúde

Home

 

Galeriacores Cartoon Notícias

Um blog de cartoons sobre as notícias da actualidade. Um sector informativo do Grupo Galeriacores.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Fazer dinheiro, trabalhar em casa, ganhar muito dinheiro, emprego, ser rico, criar empresa, fazer dinheiro, computador


O cigarro electrónico: também faz mal à saúde

The electronic cigarette: It's not safe
Para ver a animação clique neste cartoon gif e aguarde uns segundos
To view the animation click on this cartoon gif and wait a few seconds




Nos Estados Unidos, o cigarro electrónico está longe de ser uma novidade - aliás, os legisladores de Nova Iorque estão a discutir a hipótese de proibir a sua comercialização. Em Portugal, a moda está apenas a chegar, mas são já dezenas os sites sediados no país que os propagandeiam como uma alternativa mais saudável do que o cigarro convencional. E mais barata também. Alguns quiosques, bares, e até parafarmácias, já os comercializam, nomeadamente no Algarve, onde a omnipresença dos estrangeiros garante o volume de vendas. Enquanto isso, a classe médica deita as mãos à cabeça, por considerar que aquilo está muito longe de ser inócuo para a saúde e muito menos de funcionar como instrumento para deixar de fumar, como anunciam alguns sites. Alega-se que as suas semelhanças com o original dificultam o abandono do vício mas, mais do que isso, há especialistas que acusam o e-cigarro - que contém nicotina em estado líquido ou em gel - de libertar substâncias e gases nocivos na sua combustão. Sem fumo, o seu "vapor de água" terá mesmo um químico chamado etilenoglicol, normalmente utilizado como anticongelante nos automóveis.
Compostos cancerígenos
O www.ecigarette7.com, por exemplo, foi criado exclusivamente para comercializar uma marca norte-americana de cigarros electrónicos. Nos bastidores do ecrã, está uma empresa com sede na Maia. "Tínhamos uma pessoa conhecida nos Estados Unidos, e como cá não havia grande coisa, decidimos criar este site, que existe há mês e meio", conta Joana Marques. Recusa revelar o deve e haver das vendas, mas adianta que a empresa já está a planear "abrir espaços onde o cliente possa experimentar o produto, nomeadamente em centros comerciais".
Rui Santos, do www.e-cig.com.pt, importa os cigarros directamente da China e, além do site, vende-os em bares, restaurantes, tabacarias e papelarias, sobretudo da Zona Sul do país. "Comecei com este negócio em Agosto do ano passado e, nos últimos dois meses, notei um aumento da procura na ordem dos 20 a 30 por cento", conta. Por causa da publicidade contida no filme ou por causa dos presentes de Natal, a procura surge pela mão de gente que tenta reduzir ou acabar com o cigarro convencional. "As pessoas preferem o cigarro electrónico aos pensos de nicotina, porque conseguem manter o hábito de boca e depois as recargas permitem ir regulando a intensidade da nicotina", explica o empresário. Que não se cansa de enumerar as vantagens da coisa: "Não há fumadores passivos, não fica mau hálito, nem cheiro.
"Dependendo das marcas, o kit inicial pode custar entre 40 a 60 euros. Descontadas as variantes de cor, feitio e sabor, estes cigarros contêm nicotina em estado líquido ou em gel. Quando esta é inalada, há uma ponta que se acende e, no momento em que se expira, forma-se um vapor de água muito parecido com o fumo do cigarro convencional. Um pack de recargas, o equivalente a três maços de cigarros, custa à volta de 6 euros. As vendas estão interditas a menores de 18 anos, mas, na Internet, fazem-se, como diz Joana Marques, "com base na confiança". "As pessoas registam-se e declaram que são maiores de idade, mas nós não podemos ligar para ter a certeza, não é?".
Quem for à procura de saber mais no mundo virtual, encontra um verdadeiro eldorado para os viciados em nicotina. A publicidade faz-se com recurso a jovens profissionais que se vangloriam por não terem que se levantar da secretária para fumar e a universitários que garantem que a invenção lhes permitiu poupar imenso dinheiro. No www.ecigarette7.com, a publicidade chega a fazer-se até com recurso à figura de um médico, bata branca e estetoscópio ao peito, ao lado da legenda: "Não só sou utilizador como recomendo a muitos dos meus pacientes. Com menos 4000 químicos, é difícil não recomendar."


"Nos anos 1940, a Marlboro também aparecia com publicidade a dizer "O seu médico aconselha Marlboro, até para a asma"", recorda a pneumologista Cecília Pardal. Ao seu gabinete já chegaram pacientes com perguntas sobre os e-cigarros e a resposta foi invariavelmente a mesma: "Os cigarros electrónicos não são aconselháveis de maneira nenhuma: nem para cessação nem como substituição." Porquê? "Têm nicotina em estado líquido e implicam um processo de combustão no qual são libertadas substâncias e gases nocivos para a saúde." Os adesivos também libertam nicotina para o organismo, mas, "nestes, a libertação é feita de maneira diferente sem recurso ao processo de combustão".Em Espanha - onde, segundo Rui Santos, os e-cigarros foram dos regalos com mais procura no último Natal, muito por causa das apertadas restrições levantadas pela nova lei do tabaco -, o comité nacional equivalente à nossa Confederação Portuguesa de Prevenção do Tabagismo emitiu uma circular a alertar para os riscos dos e-cigarros, sustentando que algumas marcas, além da nicotina, libertam "quantidades detectáveis de nitrosaminas, um composto cancerígeno que também se encontra no fumo dos cigarros convencionais". Noutros, terá sido detectado o químico etilenoglicol. Assim, conclui aquele organismo, "não se pode afirmar alegremente que os cigarros electrónicos só libertam vapor de água".
Nem tabaco, nem fármaco
A Austrália já proibiu estes cigarros em 2008 e são várias as investigações que apontam o risco de estes cigarros, por serem publicitados como alternativa saudável, poderem levar ex-fumadores a reincidir, por um lado, e atrair novos consumidores, por outro. "É uma forma de iniciação, mais um gadget a que os jovens acham piada", concorda Luís Rebelo, da Confederação Portuguesa de Prevenção do Tabagismo.
Quanto a quem procura alternativas ao cigarro, a circular lembra que existe nas farmácias "nicotina medicinal limpa, com plenas garantias sanitárias e com eficácia demonstrada no aplacar da "fome de nicotina" e no alívio do desejo compulsivo de fumar".
Por cá, nenhuma autoridade se pronunciou ainda sobre os cigarros electrónicos, que, aliás, são vendidos a bordo de uma companhia de aviação low cost. Talvez porque, como aventa Sérgio Vinagre, coordenador do Programa de Prevenção e Tratamento do Tabagismo da Administração Regional de Saúde do Norte, os e-cigarros não são tabaco mas também não são fármaco, apesar de conterem nicotina. Logo, diluem-se numa espécie de território sem dono e o mais certo é que Portugal fique à espera que instâncias internacionais como a Organização Mundial de Saúde ou, num plano diferente, a Comissão Europeia emitam directrizes sobre o assunto. Enquanto isso, "este fenómeno novo vai continuar a apresentar-se insidiosamente como se fosse uma coisa inócua ou até com vantagens para a saúde", lamenta Vinagre, para quem os e-cigarros oferecem "riscos colossais" para a saúde pública. Porquê? "Porque procuram vender a quimera de que é possível ter o prazer sem sofrer as consequências e de que é possível ter uma população dependente mas eticamente muito bem comportada porque quem fuma não prejudica o outro."


Nota Pessoal: O melhor que há a fazer é não fumar.
Personal Note: The best you can do is not smoke


Fonte da notícia: Publico

2 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

É claro que o melhor a fazer é não fumar.
no entanto, acho curioso o clima que se começa a criar contra o cigarro electrónico, porque faz mal à saúde e que não ajuda a deixar de fumar, ...
Mas não vejo a dizer que é preferível a um fumador que deixe o cigarro convencional e opte pelo electrónico!
É verdade que um fumador de tabaco ajuda mais o país, pela quantidade de impostos que paga. Se calhar, se optarem por proibir o cigarro electrónico, então também terão de ter a coragem de proibir o cigarro convencional (Era giro ver o Estado a fazer isso!).

Não estou aqui a defender que o cigarro electrónico faz bem, mas que deve fazer muito menos mal, isso deve.

Fumei durante 24 anos e desde que comecei a "vaporar" o cigarro electrónico sinto-me melhor quando me levanto (sem aquela sensação de catarro), sinto bastante intolerÇancia em relação ao cheiro e fumo do tabaco (agora percebo melhor o que sentiam as pessoas que eram obrigadas a fumar o meu fumo), consumo menos nicotina que antes (antes fumava tabaco lights) e a pessoa que me incentivou a usar o cigarro electronico, passado 3 meses deixou definitivamente os ciagarros.
Por isso, acho que não podem colocar os factos apenas num prato da balança.

16 junho, 2011 15:38  
Anonymous Cigarro Electrónico disse...

O cigarro electrónico está na moda e não só porque já poupei bastante na carteira e na saúde

24 outubro, 2011 15:31  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial


Jorge Goncalves

web site hit counter

Add to Technorati Favorites
Estou no Blog.com.pt

Galeriacores / Home I ForumsIGrupo/Groups I Cartoons I Publicações I Culinária/Recipes

Altar virtual /Chapel I Notícias dos Açores I Notícias da Graciosa I Links I Fotos-Photos


Pesquisa personalizada

Outros blogs de interesse:

Notícias da Ilha Graciosa
Notícias dos Açores
Curiosidades
TV grátis via Satélite
Satellite free TV
Desgarradas pela Internet
O mundo da música grátis
Plantas Milagrosas
Saúde e dietas
Galeriacores cartoon humor


Photography Newsfeed:




Galeriacores © Some rights reserved

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Contacte o dono deste blog:

Galeriacores@gmail.com




Melhor visualização com a Internet Explorer / Best viewd with the Internet Explorer