} Galeriacores Cartoon Notícias: O futuro que tinha-mos imaginado para 2010

Home

 

Galeriacores Cartoon Notícias

Um blog de cartoons sobre as notícias da actualidade. Um sector informativo do Grupo Galeriacores.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Fazer dinheiro, trabalhar em casa, ganhar muito dinheiro, emprego, ser rico, criar empresa, fazer dinheiro, computador


O futuro que tinha-mos imaginado para 2010

The future we had imagined for 2010
Para ver a animação clique neste cartoon gif e aguarde uns segundos.
To view the animation click on this cartoon gif and wait a few seconds.




Parece um mau filme de ficção científica. O ano que prometia tanto só desilude. Onde estão os robots babysitters, os carros flutuantes, os hotéis em Marte? O futuro chegou e não é nada do que estávamos à espera.


O futuro é como o amor à primeira vista: raramente corresponde às expectativas. Depositam-se grandes esperanças nele, investe-se couro e cabelo, mas há quase sempre alguma coisa que falha. E como num namoro que se precipitou, chega o momento em que o futuro se vira para o presente e diz: "Temos de falar. O problema não és tu, sou eu. Preciso de estar sozinho para decidir o que quero da minha vida." Só que o presente não vive sem o futuro - o cinema que o diga. E é por isso que para 2010 se projectou muito. E muito foi demais.


Primeira grande desilusão: "Há uns anos tinha-se uma grande expectativa em relação à inteligência artificial e de como ela permitiria desenvolver produtos que tomassem decisões simples e executassem tarefas elementares como um humano." Na realidade, a inteligência artificial é hoje usada em muitas situações, "mas não chega à idealização preconizada. Veja-se a diferença entre os computadores actuais e o famoso Hal 9000 do filme "2001 Odisseia no Espaço", baseado na obra de Artur C. Clark", diz José Fonseca, investigador e detentor do William Carter Award, uma espécie de Nobel da Fiabilidade Económica, que, como a maioria dos leitores, viu muitos filmes, leu muitos livros, teve muitas esperanças.


Esta "inteligência artificial aparece em obras como as do Izaac Asimov (por exemplo "I robot", publicado na década de 50), onde os robots têm cérebros positrónicos com um funcionamento semelhante ao nosso. Só que embora já haja robots que executam algumas tarefas com relativa autonomia, estas são muito elementares." A verdade, diz, é que "os existentes executam repetidamente e com exactidão as tarefas que são previamente programadas, mas não é possível terem uma opinião". A acreditar no "I robot" de Asimov, "em 1998 já haveria robots humanóides babysitter em casa das pessoas, em 2002 os robots já falariam e em 2015 já seriam tão evoluídos que iriam em expedições espaciais com humanos ao planeta Mercúrio para escavações de minério e tinham a capacidade de raciocínio".


Segunda desilusão: o único teletransporte que conhecemos é o que fazemos quando andamos de telemóvel no bolso. "As máquinas de teletransporte parecem efectivamente difíceis de materializar no nosso mundo, além de aparecerem nas séries e filmes Star Trek", diz José Fonseca. Não há duas sem três? Terceira desilusão: "Associada à medicina, a inteligência artificial e a robótica permitiriam a substituição de membros do nosso corpo por partes cibernéticas que funcionariam perfeitamente, tal como os originais. Como sabemos e, embora já se possam colocar certas próteses em órgãos tão vitais como o coração, também ainda estamos longe de onde a ficção científica nos colocaria nesta década."


Nem um homem em marte


É a quarta desilusão: já mandámos sondas para Marte, mas não homens (ou mulheres). "A conquista do espaço sofreu uma forte desaceleração desde a guerra fria e as viagens espaciais são só para uma elite muito restrita. Quem na década de 70 não imaginaria que já poderíamos estar muito mais avançados em termos espaciais em 2000 ou 2010?", pergunta o especialista. E dá a resposta: pode ser uma questão de dinheiro. E pode ser que "o investimento privado seja a chave para esta questão", com o turismo espacial a crescer nesta década, com novos investimentos, como a Virgin Galactic, de Richard Branson.


A quinta desilusão chega por email: "O interface entre o homem e o computador também tem evoluído pouco. Desde a década de 80, em que foi introduzido o rato, que ainda usamos o computador da mesma forma: com teclado e rato. Na década que passou houve avanços nesta área, com o aparecimento do iPhone da Apple e da consola WII da Nintendo, mas ainda não chegámos ao nível do filme "Minority Report." Em sexto lugar nesta lista de desalentos surge a massificação de carros 100% eléctricos ou movidos a outros combustíveis. "Eles já existem, mas não em grande escala. E também ainda não temos os carros flutuantes, tão comuns em filmes de acção científica." E é isto: 2010 parece um mau filme de ficção científica.


Mas tudo isto se explica. Segundo Sandro Mendonça, do departamento de Economia do ISCTE e membro da direcção da Rede Europeia da Economia da Comunicação, no início da década a Europa tinha como grande objectivo para 2010 aumentar o investimento na investigação e no desenvolvimento. "Japão e Estados Unidos eram os seus grandes rivais, com investimentos mais altos. A Europa falhou, o Japão apresentou grande volatilidade no investimento e os Estados Unidos desapostaram na criação de conhecimento novo." No que é que isto resulta? "Na área da biotecnologia, por exemplo, todo o conhecimento que obtivemos em relação ao genoma humano não teve efeitos. As farmacêuticas continuam no mesmo lugar, não se criaram vacinas com um target mais definido, mais afinado ao perfil de cada pessoa. Dez anos depois de o genoma ter sido descodificado, não se avançou." Ou seja, apesar de algumas descobertas, "houve pouco retorno ao nível de novos produtos socialmente úteis".


Mas nem tudo são más notícias, claro. "Na área da exploração espacial, há anos que se percebeu que os sonhos das décadas de 50 e 60, sobre hotéis em órbita, bases na Lua, viagens a Marte e exploração mineira algures no espaço não iam acontecer tão cedo. O que não quer dizer que não tenham ocorrido algumas surpresas de certa forma inesperadas", diz José Saraiva,investigador no CERENA (Centro de Recursos Naturais e Ambiente) do Instituto Superior Técnico. "É verdade que não há uma base lunar permanentemente habitada. Não sabemos quando haverá, se haverá. Temos uma melhor ideia de onde poderá vir a situar-se (nas regiões polares), se algum dia existir, mas até isso demonstra que ainda temos muito que saber sobre a Lua. Ou seja, a exploração lunar está atrasada e muito longe dos sonhos."


E Marte? "Aqui há boas e más notícias. Em 1996 foram apresentadas ao mundo imagens do famoso meteorito ALH84001, e sugerido que poderia conter microfósseis marcianos. Daí para cá a exploração marciana acelerou, mas sem humanos, claro. Não encontrámos ainda vida (ou restos dela) em Marte. Houve missões, conhecemos as paisagens avermelhadas do planeta, vimos o pôr-do-Sol pelos olhos dos rovers, sabemos que há água e que ela em tempos correu pela superfície, que houve mares e lagos e rios em Marte... Talvez daqui a umas décadas lá ponhamos o pé, mas também não está para breve."


É que aqui na terra, como no céu, ainda muita coisa por explicar. "Não há controlo do tempo meteorológico nem há previsão de sismos." Nas nossas casas, não há mordomos virtuais, "tratando da gestão doméstica, desde a limpeza da casa até a identificação das necessidades logísticas (conteúdo do frigorífico e da despensa) e fazendo automaticamente a encomenda dos produtos em falta", como seria expectável, diz Rui Rocha Mendes, da Impresa.DGSM - Desenvolvimento e Gestão de Soluções Multimédia. Resta-nos um consolo: é que sempre que se tentou adivinhar o futuro, adivinhou-se o fim do mundo. E agora, chegados a 2010, o fim do mundo já não nos parece tanto um filme de final feliz.



Fonte: Económico Sapo

Etiquetas: , , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial


Jorge Goncalves

web site hit counter

Add to Technorati Favorites
Estou no Blog.com.pt

Galeriacores / Home I ForumsIGrupo/Groups I Cartoons I Publicações I Culinária/Recipes

Altar virtual /Chapel I Notícias dos Açores I Notícias da Graciosa I Links I Fotos-Photos


Pesquisa personalizada

Outros blogs de interesse:

Notícias da Ilha Graciosa
Notícias dos Açores
Curiosidades
TV grátis via Satélite
Satellite free TV
Desgarradas pela Internet
O mundo da música grátis
Plantas Milagrosas
Saúde e dietas
Galeriacores cartoon humor


Photography Newsfeed:




Galeriacores © Some rights reserved

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Contacte o dono deste blog:

Galeriacores@gmail.com




Melhor visualização com a Internet Explorer / Best viewd with the Internet Explorer