} Galeriacores Cartoon Notícias: Casamento Real

Home

 

Galeriacores Cartoon Notícias

Um blog de cartoons sobre as notícias da actualidade. Um sector informativo do Grupo Galeriacores.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Fazer dinheiro, trabalhar em casa, ganhar muito dinheiro, emprego, ser rico, criar empresa, fazer dinheiro, computador


Casamento Real

The Royal Wedding

Para ver a animação clique neste cartoon gif e aguarde uns segundos


To view the animation click on this cartoon gif and wait a few seconds





Terão sido mais do que 750 milhões os espectadores que assistiram ao casamento de Carlos e Diana em 1981. Mas as estimativas do Governo e das emissoras sobre quantos espectadores vão seguir o casamento do filho mais velho de Carlos e Diana, William, com Kate Middleton, não deve chegar aos 2,5 mil milhões que assistiram ao funeral de Diana, em 1997. Estima-se uma cerimónia para dois mil milhões. Mas atenção. O facto de se falar do primeiro casamento real da era 2.0, com transmissão garantida no You Tube, pode trazer surpresas, advertem.





Para os estudiosos dos maiores acontecimentos mediáticos mundiais, que têm na coroação da avó de William, Isabel II, em 1957, e no casamento do pai do príncipe, Carlos, em 1981, os expoentes máximos, o casamento de dia 29 de William e Kate é o vértice que faltava de um triângulo.


A popularidade invencível da casa real britânica e a tónica mediática própria das grandes cerimónias que são os casamentos reais, prometem um fenómeno digno de estudo, na área dos media, que ocupará decerto muita gente para os próximos anos.


Com um factor acrescido: este é o primeiro casamento da casa real britânica na era da Internet, um acontecimento mediático 2.0, com direito a transmissão nos canais oficiais da casa real no You Tube, Twitter, Flickr, Facebook, blogues e tudo a que a nova era dos media dá direito. Por isso os especialistas das estações emissoras, que esperam uma audiência de dois mil milhões de espectadores no mundo, aceitam o facto de na sexta-feira serem surpreendidos pelos números.


Quaisquer que sejam esses números, Helder Bastos, professor do departamento de jornalismo e ciências da comunicação da Universidade do Porto, não têm dúvidas: “Vêm aí tempos interessantes para as Ciências da Comunicação”.


“Este acontecimento será, com certeza, alvo de muitos estudos e teorizações. E contém, de facto, muitos ingredientes que o podem tornar um ‘case-study’ sem precedentes. Do meu ponto de vista, será muito importante, por um lado, o estudo do modo como o acontecimento foi vivido no ciberespaço e, por outro lado, as dinâmicas estabelecidas entre os media tradicionais e os media online. Além disso, será interessante ver as conclusões dos estudos que se propuserem analisar o comportamento das "velhas" e "novas" audiências e, mais ainda, as zonas de intersecção entre elas”, refere o investigador sobre a atenção que esta área vai depositar no fenómeno.


Helder Bastos lembra que, apesar de o mundo viver em pleno paradigma da era da Internet, muitos ainda não têm acesso a este modo de consumir media. Ou ignoram-no. Por isso a televisão será ainda o principal meio de visionamento.


Para muitos milhões de pessoas em todo o mundo, que não têm acesso à Internet, o acontecimento será recebido em moldes idênticos ao casamento da princesa Diana, à morte de Michael Jackson e outros eventos de grande impacto global. A televisão continuará a ser, para esses milhões, o medium principal, por natureza passivo, de acesso”.


Mas para os adeptos da Web 2.0 o acontecimento será vivido de um modo mais interactivo, explica: “Na Web, um acontecimento desta natureza será com certeza sujeito aos paradigmas da chamada Web 2.0: será lido, ouvido e visionado de diversas formas e em diferentes plataformas (destaque para as redes sociais), acelerado, decomposto, fragmentado, comentado, personalizado, partilhado, classificado (rankings), arquivado e etiquetado.


”E o especialista não acredita que a força do acontecimento mediático se dissipe com os novos media. Pelo contrário, prevê que se amplifique: “Não é de crer que o acontecimento mediático morra, em termos de impacto global e alcance, às mãos da Web 2.0. Creio que, pelo contrário, a rede tenderá a ajudar na amplificação do acontecimento. Os estrategos de comunicação da Casa Real Britânica parecem ter percebido o potencial de amplificação da Web neste tipo de acontecimentos e preparam-se para "atacar" em todas as frentes: YouTube, Twitter, Facebook, blogues, etc”.


Para a cobertura do casamento real estão já acreditados cerca de oito mil jornalistas para cobrir o evento e as emissoras internacionais estão a fazer um investimento decisivo para esta transmissão.


A cadeia oficial da transmissão, a britânica BBC, terá 850 jornalistas e técnicos no terreno. E só dentro da Abadia de Westminster, onde se vai realizar o casamento, vai ter 20 câmaras.


Já a cadeia norte-americana CNN mudou-se de armas e bagagens para Londres com 80 profissionais e a também norte-americana ABC aposta em duas das mais mediáticas pivôs da televisão norte-americana para acompanharem a cerimónia: Diane Sawyer, da ABC World News, e a carismática Barbara Walters – foi ela a primeira mulher a apresentar um telejornal na ABC em 1976.Para trás ficou a intenção da BSkyB, de Murdoch, detentora dos canais Sky News, que queria emitir em 3D o evento. Mas a instalação dos meios técnicos adicionais necessários para tal levou a que não fosse autorizado.


TV portuguesa em Londres


À semelhança dos canais estrangeiros, também os canais portugueses preparam operações especiais. A SIC vai ter Júlia Pinheiro, com o seu programa da manhã, “Querida Júlia”, em directo de Londres. A estação conta ainda com Clara de Sousa em directo de Londres, a partir dos estúdios da rede europeia de televisões privadas ENEX que partilhará os meios com outras estações europeias.


A RTP vai também enviar um dos principais pivôs da estação, João Adelino Faria, que alguns dias antes já entrará em directo com apontamentos de reportagem sobre os preparativos em Londres, com repórteres espalhados pelo percurso do casamento e com as operações concentradas perto do Palácio de Buckingam, onde será feita a recepção dos convidados a seguir ao casamento. O canal público conta ainda com o comentário de Dom Duarte de Bragança, em directo a partir do Palácio de Queluz, durante a transmissão da cerimónia.


Também a partir de Buckingham a TVI terá uma emissão alargada, conduzida pela directora-adjunta de informação Judite de Sousa e com comentários de Filipa Garnel, directora da revista Lux. O pivô, Júlio Magalhães e Manuel Luís Goucha estarão em directo a partir de Westminster, onde decorre a cerimónia e a jornalista Cristina Reyna acompanhará o percurso entre Buckingham e Westminster.


Fonte: Público

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial


Jorge Goncalves

web site hit counter

Add to Technorati Favorites
Estou no Blog.com.pt

Galeriacores / Home I ForumsIGrupo/Groups I Cartoons I Publicações I Culinária/Recipes

Altar virtual /Chapel I Notícias dos Açores I Notícias da Graciosa I Links I Fotos-Photos


Pesquisa personalizada

Outros blogs de interesse:

Notícias da Ilha Graciosa
Notícias dos Açores
Curiosidades
TV grátis via Satélite
Satellite free TV
Desgarradas pela Internet
O mundo da música grátis
Plantas Milagrosas
Saúde e dietas
Galeriacores cartoon humor


Photography Newsfeed:




Galeriacores © Some rights reserved

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Contacte o dono deste blog:

Galeriacores@gmail.com




Melhor visualização com a Internet Explorer / Best viewd with the Internet Explorer