} Galeriacores Cartoon Notícias: Bruce Springsteen e o sonho americano

Home

 

Galeriacores Cartoon Notícias

Um blog de cartoons sobre as notícias da actualidade. Um sector informativo do Grupo Galeriacores.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Fazer dinheiro, trabalhar em casa, ganhar muito dinheiro, emprego, ser rico, criar empresa, fazer dinheiro, computador


Bruce Springsteen e o sonho americano

Para ver a animação clique neste cartoon e aguarde uns segundos.
To view the animation click on this cartoon and wait a few seconds.




Chama-se 'Working on a Dream' e é o mais recente produto da fábrica de sonhos de Bruce Springsteen. Os admiradores do 'Boss' têm já à disposição um disco que simboliza o reencontro do autor com as esperanças que levaram Barack Obama à Casa Branca.

No dia 18 de Janeiro, no concerto We Are One, de celebração da posse de Barack Obama, Bruce Springsteen cantou This Land Is Our Land, com Pete Seeger. Foi um momento de luminosa confluência de símbolos: desde logo porque se tratava de uma canção lendária, escrita por Woody Guthrie, figura tutelar da folk; depois porque a companhia de Seeger, à beira de completar 90 anos (3 de Maio), sublinhava esse elo vital com a tradição da música popular; finalmente porque Springsteen ilustrava, assim, não apenas o seu apoio a Obama, traduzido na participação em concertos da respectiva campanha, mas também um continuado empenho na vida política dos EUA.
Nascido em 1949, Springsteen sempre foi uma personalidade eminentemente política, e com uma obra contaminada por muitas temáticas políticas, mesmo se isso não permite caracterizá-lo segundo os padrões do "militante" (sobretudo se tais padrões forem de raiz europeia). A sua dimensão política não nasce de formas oficiais de "filiação", mas de um sentido crítico e de um gosto de intervenção pública, inerente à própria tradição folk.Nesta perspectiva, podemos defini-lo através de um estatuto comum a todos aqueles, de Woody Guthrie a Bob Dylan, cujas raízes estão no vasto mundo da folk:
a de um exemplar contador de histórias. E bastará recordar os seus dois primeiros álbuns, ambos de 1973, na altura uma revelação explosiva na música americana: Greetings from Asbury Park, N. J. e The Wild, the Innocente & the E Street Shuffle são, de uma só vez, evocações directas da juventude do seu criador, em Nova Jérsia, e também pequenos contos ou fábulas sobre um tempo de dúvidas e perplexidades (com os traumas da guerra do Vietname bem sensíveis).
A partir daí, pode dizer-se que Springsteen não só tinha encontrado a identidade criativa como encetava um processo de introspecção e pesquisa que viria a ter um momento exemplar em The River (1980), álbum que, nomeadamente na canção-título, canta o universo de uma classe operária que pouco tem a ver com as cores e temas do imaginário político europeu, antes surgindo ligada a um romanesco indissociável do património literário e cinematográfico dos EUA.
É curioso referir que Nebraska (1982), o álbum que se sucedeu a The River, corresponde a um retorno às origens, com Springsteen a consumar um extraordinário one-man-show: Nebraska foi gravado em sua casa, com ele a assumir todos os papéis, incluindo a utilização da guitarra acústica e da harmónica (e até alguns toques de guitarra eléctrica).
Logo a seguir a Nebraska, o álbum Born in the USA (1984) daria a Springsteen aquele que seria, talvez, o mais inesperado dos estatutos: o de estrela pop, em boa verdade uma das primeiras figuras emblemáticas da MTV (criada em 1981). Os telediscos de Born in the USA e, sobretudo, de Dancing in the Dark foram peças decisivas para o impacto do álbum que continua a ser o maior sucesso da sua carreira, com mais de 15 milhões de exemplares vendidos (apenas nos EUA).
Agora, com o álbum Working on a Dream, Springsteen reencontra um espírito de exaltação do imaginário popular americano que está logo presente na canção-título: a ideia de "trabalhar num sonho", para além de remeter para um espírito colectivo de (re)construção, acaba por rimar com o voto de refazer (remaking America) expresso pelo próprio Obama.
Afinal de contas, em 2002, com The Rising, Springsteen tinha sido um dos primeiros a lidar com as feridas do 11 de Setembro, cantando a possibilidade de um renascimento que teria que passar pela reavaliação da própria identidade colectiva. O concerto para Obama foi, na verdade, um reencontro: em 2006, com We Shall Overcome: The Seeger Sessions, ele tinha já revisitado as canções de Pete Seeger, reabrindo as portas do sonho.





Fonte da notícia: IOL Diário

Etiquetas: , , , , , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial


Jorge Goncalves

web site hit counter

Add to Technorati Favorites
Estou no Blog.com.pt

Galeriacores / Home I ForumsIGrupo/Groups I Cartoons I Publicações I Culinária/Recipes

Altar virtual /Chapel I Notícias dos Açores I Notícias da Graciosa I Links I Fotos-Photos


Pesquisa personalizada

Outros blogs de interesse:

Notícias da Ilha Graciosa
Notícias dos Açores
Curiosidades
TV grátis via Satélite
Satellite free TV
Desgarradas pela Internet
O mundo da música grátis
Plantas Milagrosas
Saúde e dietas
Galeriacores cartoon humor


Photography Newsfeed:




Galeriacores © Some rights reserved

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Contacte o dono deste blog:

Galeriacores@gmail.com




Melhor visualização com a Internet Explorer / Best viewd with the Internet Explorer