} Galeriacores Cartoon Notícias: Fidel Castro sai da cena

Home

 

Galeriacores Cartoon Notícias

Um blog de cartoons sobre as notícias da actualidade. Um sector informativo do Grupo Galeriacores.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Fazer dinheiro, trabalhar em casa, ganhar muito dinheiro, emprego, ser rico, criar empresa, fazer dinheiro, computador


Fidel Castro sai da cena


Para ver efeito especial neste cartoon queira, por favor, clicar na imagem e aguardar uns segundos. In order to see the animation please click on this cartoon and wait a couple of seconds.
fazer negócio no computador, ganhar dinheiro, trabalhar em casa, criar empresa, dinheiro
Líder histórico cubano não regressa à presidência do Conselho de Estado. Depois de 19 meses afastado, a doença levou a melhor, e será Raúl, o irmão, a tomar conta dos destinos do país.

Fidel Castro renunciou esta terça-feira à presidência de Cuba, numa carta publicada no jornal online Granma.

«Comunico-vos que não aspirarei nem aceitarei, repito, não aspirarei nem aceitarei o cargo de Presidente do Conselho de Estado nem de Comandante em Chefe», afirmou Fidel Castro, que desde o dia 31 de Julho de 2006 que cedeu o poder provisório ao ser irmão Raúl Castro.

O líder histórico cubano está afastado do poder há 19 meses por motivos de doença, tendo sido operado aos intestinos em 2006.

Fidel Castro, de 81 anos, está na liderança de Cuba há 49 anos, desde que encabeçou a revolução em 1959 e conseguiu, apesar de quase isolado internacionalmente, fazer o regime sobreviver mais de meio século num ambiente adverso.

Figura incontornável da segunda metade do século XX, Fidel Castro abordou o século XXI sem interromper as suas diatribes contra «a sociedade de consumo» ou o «imperialismo norte-americano», apresentando-se como defensor do «terceiro mundo» contra o «Norte» e dando a impressão de que, para ele, a guerra fria nunca terminou.

No passado dia 20 de Janeiro, o presidente interino e irmão do líder histórico cubano, Raúl Castro, obteve mais votos que Fidel nas eleições gerais, apesar de o «comandante» também ter sido eleito. No próximo dia 24, será designado o Conselho de Estado e o seu presidente, cargo exercido por Fidel desde 1976.

O líder histórico cubano está afastado do poder há mais de um ano devido a doença prolongada, situação que o obrigou a delegar funções no irmão Raúl em 2006. Foi submetido a uma operação cirúrgica, nesse mesmo ano, mas nunca deixou de aparecer, nem de garantir que velava por todas as decisões importantes. Para Fidel, «os verdadeiros revolucionários nunca se reformam», nem quando a doença leva a melhor: agora promete ser um «soldado das ideias», depois de anos à frente dos destinos do país.

Sobreviveu a 9 presidentes norte-americanos, e ao fim de 50 anos de exercício absoluto do poder, sete em cada dez cubanos nunca conheceram outro chefe de Estado.

Ditador inflexível ou humanista revolucionário

Ditador inflexível para os seus opositores, humanista revolucionário para os admiradores, é primeiro que tudo Fidel para os cubanos, quer os que o apoiam, quer os que o combatem, numa quase clandestinidade na ilha ou abertamente no exílio.

Atípico, com a sua barba de antigo guerrilheiro, o seu uniforme, a sua boina e os célebres charutos (até 1985), este filho de um emigrante espanhol que se tornou grande proprietário agrícola foi educado nos melhores colégios de maristas e jesuítas do país.

Só na Universidade aderiu à rebelião, e depois à guerra total, até à sua tomada do poder em 1959, de armas na mão, contra a ditadura de Fulgencio Batista.

Guerreiro inveterado, os seus «mais belos anos» foram, diz ele, os 25 meses de guerrilha na Sierra Maestra (1957-1959), forjando a sua personagem de chefe militar, levado ao pico da lenda anti-imperialista com a sua retumbante vitória na Baía dos Porcos, em 1961.

Apaixonadamente anti-norte-americano, nunca cessou de desafiar «o império» e, de facto, nenhuma das 13 administrações que se sucederam na Casa Branca conseguiu obter dele concessões de monta em 47 anos.

Simultaneamente calculista e exaltado, capaz de cóleras homéricas, permitiu que centenas de milhares dos seus compatriotas tomassem o caminho do exílio, na sua maioria para as costas dos Estados Unidos.

Os opositores não passam, aos seus olhos, de «mercenários» de Washington, passíveis de pesadas penas na prisão.

Ideologicamente arreigado - «Nunca me senti mais próximo de Marx e Engels», disse o ano passado -, Fidel Castro devota ao dinheiro um desprezo feroz e sempre lhe preferiu um igualitarismo duvidoso. Praticamente só com Deus, o antigo aluno dos jesuítas procurou um compromisso: entre o marxismo e o cristianismo.


Fonte da notícia: Portugal Diário

Etiquetas: , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial


Jorge Goncalves

web site hit counter

Add to Technorati Favorites
Estou no Blog.com.pt

Galeriacores / Home I ForumsIGrupo/Groups I Cartoons I Publicações I Culinária/Recipes

Altar virtual /Chapel I Notícias dos Açores I Notícias da Graciosa I Links I Fotos-Photos


Pesquisa personalizada

Outros blogs de interesse:

Notícias da Ilha Graciosa
Notícias dos Açores
Curiosidades
TV grátis via Satélite
Satellite free TV
Desgarradas pela Internet
O mundo da música grátis
Plantas Milagrosas
Saúde e dietas
Galeriacores cartoon humor


Photography Newsfeed:




Galeriacores © Some rights reserved

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Contacte o dono deste blog:

Galeriacores@gmail.com




Melhor visualização com a Internet Explorer / Best viewd with the Internet Explorer