} Galeriacores Cartoon Notícias: Língua portuguesa é "obra-prima" vítima de "banalização"

Home

 

Galeriacores Cartoon Notícias

Um blog de cartoons sobre as notícias da actualidade. Um sector informativo do Grupo Galeriacores.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Fazer dinheiro, trabalhar em casa, ganhar muito dinheiro, emprego, ser rico, criar empresa, fazer dinheiro, computador


Língua portuguesa é "obra-prima" vítima de "banalização"

Para ver a animação clique neste cartoon e aguarde uns segundos.
To view the animation click on this cartoon and wait a few seconds.



O Português é uma "obra-prima" vítima de "um processo de banalização gravíssimo" e a parcela de palavras empregues é "ínfima" face às possibilidades, afirma o filólogo Artur Anselmo, presidente do Instituto de Lexicologia e Lexicografia da Língua Portuguesa da Academia das Ciências de Lisboa.
Para Artur Anselmo, o Português está a ser vítima de uma banalização que faz com que, cada vez mais, "as pessoas falem todas da mesma maneira", empregando "uma parcela ínfima" dos vocábulos ao seu dispor.
"Nós temos 110 mil palavras dicionarizadas - e não falo nas locuções, que aí iríamos para as 300 mil - e o Português básico está reduzido a menos de mil palavras, o que é péssimo", declarou, criticando "esta falta de variedade, esta uniformidade em que caímos".
"O verbo 'pôr' está a desaparecer, hoje toda a gente 'mete', diz-se 'meto a mesa' em vez de 'ponho a mesa' e isto é mau. O verbo 'fazer' também está a desaparecer: já ninguém 'faz' perguntas, toda a gente 'coloca' questões", exemplificou o filólogo.
Na sua opinião, "os portugueses complicam desnecessariamente uma língua que é uma obra-prima da nossa História" quando "o simples é o contrário do banal - falar com simplicidade, é falar bem, não é falar difícil nem com estereótipos banalizados".
"O purista acabou, aquele indivíduo que nos dizia constantemente as regras da língua" já não existe, considerou Artur Anselmo, para quem a ortografia é importante sobretudo para "ajudar à pronúncia correcta".
"Agora, o que é a pronúncia correcta, a chamada ortoépia?", questionou-se, recordando que, tradicionalmente, se considerava que, no caso de Portugal continental, essa pronúncia passava numa isoglossa (fronteira geográfica de uma certa característica linguística) "situada aproximadamente entre a Mealhada e Leiria", dando-se como exemplo o 'falar de Coimbra', "devido ao prestígio da erudição universitária".
Actualmente, "a ortoépia é feita pelos comunicadores, pelos locutores. Os 'predicatores', que antes eram pessoas ligadas à Igreja e à Universidade, hoje são os comunicadores".
Por outro lado, o número de filólogos "tem diminuído consideravelmente" em Portugal, pois vive-se uma época "em que esse tipo de preparação universitária não é rendível ou, como para aí se diz, 'rentável'", comentou.
"Eu digo 'rendível' porque sei que vem do latim e sei que o 'rentable' francês deu o galicismo 'rentável' mas vou para a praça pública crucificar-me a dizer 'passem todos a usar rendível'?", interrogou-se, dando também o exemplo dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, cujo acrónimo correcto é PALOP.
Os portugueses dizem, por vezes, 'PALOPS'. "O 's' não sei de onde veio mas o que é que eu vou fazer? Vou pegar numa régua e ameaçar todas as pessoas que dizem PALOPS? Quem manda na língua são os seus falantes e, se estes a falam mal, o problema é deles", declarou o investigador da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, para quem nem o Acordo Ortográfico "vai resolver todos os problemas".
"As línguas vão continuar a evoluir", sublinhou Artur Anselmo, dando como exemplo o Inglês: "Percebo que os ingleses não tenham acordo nenhum com a Austrália e que os australianos não tenham acordo nenhum com os Estados Unidos da América. Nós queremos consultar um dicionário do Inglês de Inglaterra e consultamos o Oxford mas, se queremos consultar o Inglês dos Estados Unidos, vamos ao Webster".
No caso da Língua Portuguesa, para o Português do Brasil existem dicionários como "o Aurélio ou o Houaiss", enquanto para o Português de Portugal estão disponíveis obras como o Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de António Cândido Figueiredo, originalmente publicado em 1899 e objecto de várias reedições.
No que respeita à Filologia, o presidente do Instituto de Lexicologia e Lexicografia comentou que esta área de estudo não é muito atraente "numa sociedade de consumo em que o dinheiro é adorado em todas as ocasiões".
"Infelizmente, o discurso que as gerações mais antigas passam aos novos é aquele que já se passava no meu tempo. Quando eu decidi ir para Letras, as amigas da minha mãe diziam 'Letras são tretas'", recordou, afirmando não estar, contudo, arrependido da escolha. "Eu amava as Letras mais do que a mim próprio e por isso cá vou andando, feliz da vida", assegurou.



Fonte: Público.pt

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial


Jorge Goncalves

web site hit counter

Add to Technorati Favorites
Estou no Blog.com.pt

Galeriacores / Home I ForumsIGrupo/Groups I Cartoons I Publicações I Culinária/Recipes

Altar virtual /Chapel I Notícias dos Açores I Notícias da Graciosa I Links I Fotos-Photos


Pesquisa personalizada

Outros blogs de interesse:

Notícias da Ilha Graciosa
Notícias dos Açores
Curiosidades
TV grátis via Satélite
Satellite free TV
Desgarradas pela Internet
O mundo da música grátis
Plantas Milagrosas
Saúde e dietas
Galeriacores cartoon humor


Photography Newsfeed:




Galeriacores © Some rights reserved

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Contacte o dono deste blog:

Galeriacores@gmail.com




Melhor visualização com a Internet Explorer / Best viewd with the Internet Explorer